Please use this identifier to cite or link to this item: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1466
metadata.dc.type: Dissertação
Title: Avaliação de o-carboximetilquitosana como excipiente de comprimidos matriciais contendo diltiazem
metadata.dc.creator: Bresolin, José Roberto
metadata.dc.contributor.advisor1: Silva, Ruth Meri Lucinda da
metadata.dc.contributor.referee1: Couto, Angelica Garcia
metadata.dc.description.resumo: A O-carboximetilquitosana (OCMQS) é um dos derivados hidrossolúveis da quitosana com potencial aplicação em matrizes hidrofílicas, ainda pouco explorado. Este trabalho propõe avaliar o emprego da OCMQS como excipiente de comprimidos matriciais contendo diltiazem (DTZ). O polímero foi sintetizado, a partir da quitosana (com grau de desacetilação de 79,7%), seco por spray-dryer e caracterizado por FTIR, grau de substituição (GS), solubilidade, granulometria, morfologia e propriedades de fluxo. Com este derivado foram elaborados 9 lotes de comprimidos (F01 a F09) contendo 90 mg de DTZ, utilizando-se delineamento fatorial do tipo 32 onde foram estudados dois fatores em três níveis: fator 1 - método de compressão: compressão direta (CD) F01 a F03, dupla compressão (DC) F04 a F06 e via úmida (VU) F07 a F09; e fator 2 - concentração do polímero: 80, 50 e 30 %, respectivamente, em relação ao total de diluentes. Os comprimidos foram analisados quanto às características físicas, intumescimento, absorção de água e erosão. O perfil de dissolução in vitro foi determinado em meio aquoso e comparado ao perfil do medicamento de referência (cápsulas de liberação modificada). O efeito de cada fator foi avaliado sobre a ED% (eficiência de dissolução) em até 180 min, o Q30 e o t50%. Foi calculado o fator de diferença (f1) entre os lotes e o mecanismo de liberação analisado usando métodos modelo dependentes. Adicionalmente, foram elaborados comprimidos por CD com 2 e 5% de OCMQS e o perfil de liberação comparado com o perfil de comprimidos contendo a mesma proporção de croscarmelose e 30% de HPMC. A OCMQS teve sua síntese comprovada por FTIR, com GS de 33,6% sendo solúvel em meio aquoso (exceto em pH ~ 6,0). A secagem do polímero por spray-dryer proporcionou a obtenção de um pó com partículas esféricas, com superfície lisa e tamanho médio de 2,2 m. O pó mostrou baixa fluidez e compressibilidade. Os lotes obtidos por CD e DC apresentaram tempo de desintegração maior do que 30 min enquanto os de VU desintegraram em menos de 30 min. Os lotes F01 a F06 (CD e DC) apresentaram maior retenção do fármaco em relação ao referência, com mecanismo de liberação tipo ordem zero ou Higuchi para comprimidos com 80 ou 50% e 30% de OCMQS, respectivamente. Houve uma relação direta entre a proporção de OCMQS e a liberação de DTZ, bem como ao intumescimento e a absorção de água e F01 apresentou comportamento como um verdadeiro sistema controlado por intumescimento. Os lotes foram resistentes à erosão, permitindo sua aplicação como matriz de liberação prolongada. O lote F03 apresentou estrutura interna mais compacta, menos porosa, porém não contínua, sugerindo a atuação do polímero, nesta concentração (30%), como agente ligante, provocando menor intumescimento e absorção de água e menor liberação do fármaco. Os lotes F07 a F09 mostraram perfil de liberação diferente dos demais, com proporção direta entre a concentração do OCMQS e a retenção do DTZ nas primeiras 3 h de estudo e, até o final do estudo a proporção intermediária (50% de OCMQS) proporcionou maior retenção do fármaco, com perfil semelhante ao referência. Houve perda da morfologia dos comprimidos após 60 min de contato com o meio, com rápida desintegração. A ED% variou de 2,7-72,8% entre os lotes sendo que o fator concentração não alterou significativamente a ED% e o método de VU foi o que apresentou maior influência. A Q30 variou de 4-84%, sofrendo maior influência do método do que da concentração de OCMQS, com menor liberação nos lotes obtidos por CD e DC. Os lotes obtidos por VU apresentaram menor t50% (3-22 min), sem influência significativa da concentração de OCMQS. Todos os lotes apresentaram diferentes perfis de liberação do fármaco, entre si, com valor de f 1 > 15. A formulação com 2% de OCMQS apresentou perfil de dissolução semelhante ao lote com 5% de croscarmelose liberando 58% de DTZ em 120 min. O lote com 5% de OCMQS apresentou perfil de liberação semelhante ao referência e com maior retenção do que o lote com 30% de HPMC. A OCMQS demonstrou grande potencial no emprego em matrizes hidrofílicas, com evidente influência do método de obtenção dos comprimidos, e a concentração de apenas 5% de OCMQS é capaz de retardar a liberação de DTZ de modo semelhante ao referência
Abstract: O-carboxymethylchitosan (OCMCS) is a water-soluble chitosan derivative with promising application in hydrophilic matrices, but its potential has still been little explored. This work evaluates the use of OCMCS as excipient in matrix tablets containing diltiazem (DTZ). The polymer was synthesized from chitosan (with a deacetylation degree of 79.7%), spray-dried characterized by FTIR, degree of substitution (SD), solubility, particle size, morphology and flow properties. From this derivative, 9 batches of tablets were prepared (F01 to F09), containing 90 mg of DTZ, using factorial design type 32, in which two factors were studied at three levels: factor 1 - compression method: direct compression (CD) F01 to F03, double compression (DC) F04 to F06 and wet granulation (WG) F07 to F09, and factor 2 - polymer concentration: 80%, 50% and 30%, respectively, for all the diluents. The tablets were showed the greatest influence. Q30 ranged from 4% to 84%, suffering greater influence from the method than the OCMCS concentration, with lower release in the batches obtained by CD and DC. The batches obtained by WG had lower t50% (3-22 min) without significant influence of OCMCS concentration. All the batches showed different drug release profiles, with values of 1> 15. The formulation with 2% of OCMCS showed a similar dissolution profile to the batch with 5% croscarmellose, releasing 58% of DTZ at 120 min. The batch with 5% OCMCS showed a similar release profile to that of the reference, with a longer drug retention time than the batch with 30% of HPMC. The OCMCS showed great potential for use in hydrophilic matrices, with a clear influence of the methods of obtaining the tablets, and the OCMCS concentration of only 5% is capable of delaying the release of DTZ in a similar way to the reference analyzed for physical characteristics, swelling, water absorption and erosion. The in vitro dissolution profile was determined in aqueous medium and compared to the reference product (modified release capsules). The effect of each factor was assessed on DE (dissolution efficiency) up to 180 min, Q30 and t50%. The difference factor ( 1) was calculated between the batches, and the release mechanism examined using a dependent model. Tablets were produced by CD with 2% and 5% of OCMQS and the release profile was compared with the profile of tablets containing the same proportion of croscarmellose and 30% of HPMC. OCMCS synthesis was confirmed by FTIR, with SD of 33.6% being soluble in water (except at pH ~ 6.0). The spray drying gave a powder with spherical particles, smooth surface, and average particle size of 2.2 m. The powder showed poor flow and compressibility. The batches obtained by CD and DC showed a disintegration time of over 30 min, while the WG disintegrated in less than 30 min. Batches F01 to F06 (CD and DC) had higher retention of the drug in relation to the reference, with zero order or Higuchi release mechanism for tablets with 80%, 50% and 30% OCMCS, respectively. There was a direct relationship between OCMCS proportion and release, degree of swelling, and water absorption behaviour, and F01 presented the behaviour of a true swelling-controlled system. The batches were resistant to erosion, enabling their application as matrix for prolonged release. Batch F03 showed more a compact structure, which was less porous and noncontinuous, suggesting the presence of the polymer at this concentration (30%) as a binder, causing minor swelling and water absorption and lower drug release. Batches F07 to F09 showed different release profiles from the others, with a direct correlation between OCMCS concentration and drug release in the first 3 h of study, and by the end of the study, the OCMCS proportion of 50% provided higher retention of the drug, similar to the reference values. There was loss of morphology of the tablets after 60 min of contact with the environment, with rapid disintegration. DE ranged from 2.7-72.8% between the batches, the concentration factor did not alter the DE significantly, and the WG method was the one which
Keywords: o-carboximetilquitosana
diltiazem
comprimidos matriciais
o-carboxymethylchitosan
diltiazem
matrix tablets
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FARMACIA
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade do Vale do Itajaí
metadata.dc.publisher.initials: UNIVALI
metadata.dc.publisher.department: Produtos Naturais e Substâncias Bioativas
metadata.dc.publisher.program: Mestrado em Ciências Farmacêuticas
Citation: BRESOLIN, José Roberto. Avaliação de o-carboximetilquitosana como excipiente de comprimidos matriciais contendo diltiazem. 2009. 117 f. Dissertação (Mestrado em Produtos Naturais e Substâncias Bioativas) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2009.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1466
Issue Date: 29-May-2009
Appears in Collections:Importação Nova 20150826 Coleção

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Jose Roberto Bresolin.pdf7,12 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.