Please use this identifier to cite or link to this item: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1710
metadata.dc.type: Dissertação
Title: Famílias de crianças com deficiência: o que pensam sobre o processo de inclusão na educação infantil
metadata.dc.creator: Morro, Lisiane Rzatki
metadata.dc.contributor.advisor1: Ferreira, Valeria Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Mendes, Geovana Mendonça Lunardi
metadata.dc.contributor.referee2: Hostins, Regina Célia Linhares
metadata.dc.description.resumo: A inclusão escolar da criança com deficiência intelectual nas instituições regulares de ensino é um direito descrito na Constituição Brasileira (1988) e que ganha força no Brasil a partir do momento em que o país concorda com a Declaração Mundial de Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem, elaborada em Jomtien, em 1990, na Tailândia, optando pela construção de um sistema educacional inclusivo. Contudo, entre o direito assegurado e o trabalho oferecido estão as famílias. Há vários estudos que investigaram a relação entre família-escola (BOAVENTURA, 2008; DUQUE, 2008; SANTOS, 2012; BARROS, 2009; SILVA, 2009; ARANTES, 2013; MAIOLA, 2009), porém poucos trabalhos tiveram a finalidade de ouvir este lado do eixo da inclusão escolar, a família, sobretudo na educação infantil (LUIZ, 2009; RUBIM, 2009; LIMA, 2009). Nesse contexto, pergunta-se: Como as famílias de crianças com Deficiência Intelectual pensam o trabalho da educação infantil na inclusão escolar? Esta pesquisa, vinculada ao grupo de pesquisa Contextos Educativos e Prática Docente, da linha de pesquisa Práticas Docentes e Formação Profissional, é de fundamento analítico qualitativo e tem como objetivo geral compreender o que pensam as famílias de crianças com deficiência intelectual sobre o processo de inclusão na educação infantil. Para alcançar esse objetivo, traçaram-se os seguintes objetivos específicos: identificar quais as perspectivas das famílias em relação à educação infantil e ao desenvolvimento da criança; verificar as relações entre a família e a escola; verificar a percepção dessas famílias em relação à vida escolar de suas crianças. A pesquisa baseou-se em entrevistas semiestruturadas com seis famílias de crianças entre 2 e 5 anos de idade com deficiência intelectual, matriculadas na rede regular, pública ou particular de educação infantil da Grande Florianópolis (SC). As respostas dessas famílias foram divididas e analisadas a partir de unidades de significância distribuídas em quatro eixos norteadores: a) É a educação infantil para as famílias: necessidade ou opção; b) Participação da família na escola e na vida escolar de suas crianças; c) Orientação da família para a vida escolar da criança; d) Percepção dos pais sobre a criança na vida. Os dados obtidos evidenciaram que os pais, em sua maioria, a princípio, buscam, na escola, um lugar seguro para seus filhos. Além disso, eles aprovam o trabalho da escola como um ambiente que propicia o desenvolvimento. Apesar da relação cordial entre família e escola, percebe-se a falta de comunicação e a troca de orientações sobre a criança. Os pais conhecem seus filhos, falam de dúvidas sobre seu futuro e, de maneira geral, acreditam em seu potencial. As famílias reconhecem a inclusão no ambiente escolar, nas relações sociais, nas interações dos filhos com as outras crianças e adultos. Contudo, para uma melhor efetivação dessa inclusão, é necessário que família e escola caminhem juntas, trocando anseios, dúvidas, conquistas e orientações
Abstract: School inclusion of children with intellectual disabilities in regular educational institutions is a right that is described in the 1988 Brazilian Constitution, and which gained strength in Brazil from the moment the country agreed with the World Declaration on Education for All: meeting the basic learning needs, drafted in Jomtien, Thailand, in 1990, opting for the construction of an inclusive education system. However, between the assured right and the work offered are the families. There are several studies that investigate the relationship between the family and the school (BOAVENTURA, 2008; DUQUE, 2008; SANTOS, 2012; BARROS, 2009; SILVA, 2009; ARANTES, 2013; MAIOLA, 2009), but there are few studies with the purpose of hearing this side of school inclusion: the family, especially in early childhood education (LUIZ, 2009; RUBIM, 2009; LIMA, 2009). In this context, the question is asked: What do families of children with intellectual disability think about the work of early childhood education in relation to school inclusion? This study, which is linked to the research group Educational Contexts and Teaching Practice of the line of research Teaching Practice and Professional Training, uses a qualitative analytical methodology. Its overall objective is to understand what the families of children with intellectual disabilities think about the inclusion process in early childhood education. To achieve this goal, the following specific objectives were outlined: to identify the perspectives of these families in relation to early childhood education and child development; to determine the relationships between the family and the school; and to determine the perceptions of these families regarding their children s school life. This research was based on semi-structured interviews with six families of children aged between 2 and 5 years with intellectual disabilities, enrolled in regular public or private educational institutions in Florianopolis (SC). The responses given by these families were divided and analyzed based on units of significance, divided into four guiding principles: a) Is nursery school, in the families perspective, a necessity or an option; b) The family s participation in school and in their children s school life; c) Family guidance for the child s school life; and d) the patents perceptions of the child in life. The data showed that most parents, at first, seek in the school, a safe place for their children. They also approve of the work of the school as an environment that fosters development. Despite the cordial relationship between the family and the school, it is noticed that there is a lack of communication and exchange of guidance on the child. Parents know their children, talk about their doubts about their children s future, and in general, believe in their potential. The families recognize the inclusion in the school environment, in social relations, and in their children s interactions with other children and adults. However, for better execution of this inclusion, it is necessary for the family and the school to walk together, exchanging anxieties, doubts, achievements and guidelines
Keywords: Inclusão
Família-escola
Deficiência intelectual
Inclusion
Family-school
Intellectual disability
Inclusão escolar
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade do Vale do Itajaí
metadata.dc.publisher.initials: UNIVALI
metadata.dc.publisher.department: Educação
metadata.dc.publisher.program: Mestrado em Educação
Citation: MORRO, Lisiane Rzatki. Famílias de crianças com deficiência: o que pensam sobre o processo de inclusão na educação infantil. 2014. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2014.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1710
Issue Date: 19-Feb-2014
Appears in Collections:Importação Nova 20150826 Coleção

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Lisiane Rzatki Morro.pdf1,28 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.