Please use this identifier to cite or link to this item: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1955
metadata.dc.type: Dissertação
Title: MORFOLOGIA, DISTRIBUIÇÃO E TOXICIDADE DE Alexandrium fraterculus (BALECH) BALECH NA COSTA DE SANTA CATARINA
metadata.dc.creator: Miotto, Maria Cecília
metadata.dc.contributor.advisor1: Proença, Luis Antonio de Oliveira
metadata.dc.contributor.referee1: Resgalla Junior, Charrid
metadata.dc.description.resumo: O gênero de dinoflagelados Alexandrium Halim conta, atualmente, com 30 espécies descritas, incluindo algumas das espécies mais tóxicas e de maior freqüência na formação de florações de microalgas em escala mundial. A taxonomia do gênero fundamenta-se essencialmente nas características morfológicas das placas tecais das células vegetativas, além da forma e o tamanho da célula. Espécies deste gênero são conhecidas como produtoras de potentes neurotoxinas do grupo da saxitoxina (STX) responsáveis pela síndrome paralisante pelo consumo de moluscos (PSP). Nas últimas duas décadas os impactos econômicos e de saúde pública desses eventos aumentaram em freqüência, intensidade e distribuição geográfica. Neste contexto, o presente trabalho visou estudar a morfologia, a presença de toxinas e a distribuição da espécie Alexandrium fraterculus na costa de Santa Catarina, a fim de ampliar o conhecimento desta espécie comumente encontrada em nosso litoral. As células cultivadas em meio f/2 sem sílica, com salinidade 34 e mantidas a 21ºC sob irradiação de 100-136 μEm2s-1 em ciclos de 12:12 h claro:escuro, apresentaram características similares às descritas por Balech no Atlântico Sul Ocidental. Através da análise em espectrometria de massas não foi evidenciado nenhum análogo da saxitoxina nas duas temperaturas testadas, 21ºC e 28ºC. Alexandrium fraterculus ocorreu em 7,1% do total de 1860 amostras analisadas em 38 pontos de coleta distribuídos em onze municípios do litoral de Santa Catarina, sendo as maiores freqüências de ocorrência registradas nos meses com as menores temperaturas médias. A presença da espécie esteve relacionada com temperaturas da água entre 16°C e 28,2°C e salinidades entre 23 e 34,8. Os pontos localizados no litoral norte do estado apresentaram as maiores freqüências de ocorrências, sendo que estas podem estar relacionadas com a influência do transporte dessas células através da corrente marinha do Brasil, uma corrente de contorno oeste, que flui para o sul bordejando o continente sul-americano
Abstract: The genus of dinoflagellates Alexandrium Halim has currently 30 species described, including some of the most toxic and bloom-forming microalgae species. The taxonomy of the genus is based primarily on morphological characteristics of the thecal plates of the vegetative cells, as well as on the shape and size of the cell. Species of this genus are known to produce saxitoxin (STX) and others powerful neurotoxins analogues, causative of the Paralytic Shellfish Poisoning (PSP). In the last two decades the economic and public health impacts of these events increased in frequency, intensity and geographical distribution. This study aimed to investigate morphology, presence of toxins and distribution of Alexandrium fraterculus on the coast of Santa Catarina, Brazil, in order to enhance the knowledge of this commonly reported species. Cells grown in f / 2 without silica, salinity 34 and maintained at 21 ° C under irradiation of 100-136 μEm2s-1 in cycles of 12:12 h light: dark and showed characteristics similar to those described by Balech in the southwestern Atlantic. Mass spectrometry analyses did not show the presence of any saxitoxina analog in A. fraterculus grown at two temperatures: 21 ° C and 28 º C. A. fraterculus occurred in 7.1% of total 1860 samples in 38 sampling points distributed in eleven cities of the coast of Santa Catarina, with the highest frequencies of occurrence during the coldest months. The presence of the species was related to water temperatures between 16 ° C and 28.2° C and salinities between 23 and 34.8. The points located on the North coast of the State had the highest frequencies of occurrence, and these may be related to the influence of transport of these cells through the Brazilian Current, a western boundary current, which flows southward bordering the South American continent
Keywords: alexandrium
taxonomia
saxitoxina
alexandrium
taxonomy
saxitoxin
Biologia - Classificação
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIA::ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: BR
Publisher: Universidade do Vale do Itajaí
metadata.dc.publisher.initials: UNIVALI
metadata.dc.publisher.department: Tecnologia e Gestão Ambiental. Ecossistemas Aquáticos
metadata.dc.publisher.program: Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental
Citation: MIOTTO, Maria Cecília. MORFOLOGIA, DISTRIBUIÇÃO E TOXICIDADE DE Alexandrium fraterculus (BALECH) BALECH NA COSTA DE SANTA CATARINA. 2011. 53 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Gestão Ambiental. Ecossistemas Aquáticos) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2011.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: https://siaiap39.univali.br/repositorio/handle/repositorio/1955
Issue Date: 16-Feb-2011
Appears in Collections:Importação Nova 20150826 Coleção

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Maria Cecilia Miotto.pdf1,56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.